O Instituto Pólis é uma ONG (Organização Não Governamental) de atuação nacional e internacional. Fundado em 1987, o Pólis atua na construção de cidades justas, sustentáveis e democráticas, por meio de pesquisas, assessoria e formação que resultem em mais políticas públicas e no avanço do desenvolvimento local.

Desmoronamento em lixão da Etiópia deixa 70 mortos

etiopia deslizamento lixão
Inclusão e Sustentabilidade, Resíduos Sólidos
24 de março de 2017

Na Etiópia, cerca de 70 pessoas morreram e outras ainda estão desaparecidas após o desmoronamento de toneladas de resíduos sólidos em um lixão, na cidade Adis Abeba, capital do país, no dia 11 de março. Apesar de estar há quase 10 anos inabilitado a receber mais resíduos, continua funcionando há mais de 50.

No Brasil, segundo o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis, também são frequentes os casos de acidentes em lixões, muitas vezes resultando em mortes. Mesmo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que previa a extinção deste tipo de destinação até 2014, chegamos em 2015 com mais 3,3 mil municípios com lixões, que até hoje continuam ativos. Diversas manobras legislativas tentam empurrar este prazo da PNRS para anos à frente, ignorando o potencial de recuperação dos resíduos orgânicos e recicláveis e os riscos da manutenção dos lixões para a saúde de catadores e para o meio ambiente.

O Instituto Pólis defende a reciclagem de materiais recicláveis e a compostagem de resíduos orgânicos, dado o potencial de geração de postos de trabalho para catadores avulsos e de lixões em associações e cooperativas de catadores nessas cadeias produtivas.

Diante do desmoronamento que matou 70 trabalhadoras e trabalhadores na Etiópia, GAIA – Growth Alternatives in Action (Alternativas de Crescimento em Ação) declarou que a política de resíduos zero, se implementada, poderia ter salvado 70 vidas em Adis Abeba. Abaixo segue a carta na íntegra:

Tragédia na Etiópia: resíduo zero poderia ter salvado vida de recicladores

Mais de 70 recicladores foram mortos e outros ainda estão desaparecidos depois do desmoronamento de toneladas de resíduos em um aterro em Adis Ababa, na Etiópia, no último sábado. O aterro recebeu resíduo da capital da Etiópia por mais de 50 anos – apesar de estar há mais de 7 anos inabilitado de continuar operando.

Esta tragédia é a última de uma longa lista de acidentes causados pela operação de aterros e incineradores, e um sinal claro de que alguma coisa drástica precisa mudar. Atualmente, está em construção um incinerador para a queima de resíduos. No entanto, como os aterros, incineradores são altamente propensos a incêndios, acidentes e poluição, o que é perigoso para a saúde humana. Se as autoridades procederem à construção de um incinerador ou de qualquer outra tecnologia que tente lidar com uma quantidade cada vez maior de resíduos, eles perderam uma lição importante desta tragédia quando se trata de resíduos: a única forma de proteger a vida e a saúde é reduzir o desperdício que geramos e investir em estratégias de resíduo zero.

No Sul Global, os recicladores estão trabalhando para expandir suas atividades de recuperação de materiais, e há centenas de histórias colaborativas bem sucedidas entre cooperativas de recicladores e instituições locais. Infelizmente, este não é o caso em Adis Abeba.

Desde a identificação do problema dos resíduos na cidade, perderam-se anos valiosos durante os quais poderiam ter sido implementados sistemas de resíduos zero, bem como programas que teriam uma segurança digna e melhor para os recicladores. A pressão das autoridades locais para fechar o aterro sanitário de 50 anos e construir uma instalação milionária de queima de resíduos veio à custa da vida dos catadores, que perderam sua única fonte de renda quando o incinerador começou a construção.

Negociações terminaram com a aprovação de um incinerador, que levou anos para ser construído, o qual ainda não está em operação, e pretende queimar 80% dos resíduos, a um custo de investimento de milhões de dólares. Em vez dessas tecnologias – atormentadas por falhas em todo o mundo – a cidade poderia estar investindo em programas de educação e difusão para reciclagem e compostagem com a incorporação de recicladores que, deixados ao seu destino, estão hoje enterrados sob os resíduos que a cidade tentou esconder.

Embora a operação de sistemas avançados de recuperação de materiais administrados pelos municípios seja comum nos países industrializados, no Sul Global a maioria dos recicladores é autônoma, principalmente na economia informal, e recupera itens reutilizáveis ​​e recicláveis. Desta forma, a reciclagem fornece meios de subsistência a 15 milhões de pessoas em todo o mundo – 1% da população no Sul Global.

 

Anterior / Próximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>