O Instituto Pólis é uma ONG (Organização Não Governamental) de atuação nacional e internacional. Fundado em 1987, o Pólis atua na construção de cidades justas, sustentáveis e democráticas, por meio de pesquisas, assessoria e formação que resultem em mais políticas públicas e no avanço do desenvolvimento local.

EVENTO: Marcas (In)visíveis: Violência Obstétrica

violencia obste
Cidadania Cultural, Convivência e Paz, Formação, Juventudes, Participação Cidadã
10 de fevereiro de 2017

Mulheres se reúnem no próximo dia 13 para discutir violência obstétrica e o impacto disso na vida cotidiana

Cerca de 75% das mulheres não receberam alimentação durante o trabalho de parto; 73% não tiveram acesso a procedimento não medicamentosos para o alívio da dor, como banho quente; 71% não tiveram direito a acompanhante, o que é previsto por lei desde 2005; e 25 % afirmam ter sido desrespeitadas durante a gestação ou parto.

Diante deste cenário, acontecerá na próxima segunda-feira o encontro Marcas (In)visíveis: Violência Obstétrica, no Instituto Pólis, às 14h. O evento, realizado pelo grupo de mulheres do Programa Jovem Monitor/a Cultural chamado Marcas (In)visíveis, exibirá uma Websérie produzida pelo coletivo Que Pariu, a qual apresenta uma série de relatos de mulheres que já sofreram violência obstétrica.

Além disso, será discutido o Projeto de Lei 359/2015, o qual “propõe fornecer curso de qualificação básica para as parteiras tradicionais e incluir sua atividade no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)”. Também o Projeto de Emenda Constitucional 100/2015, o qual altera o artigo 200 da Constituição Federal, passando a “disponibilizar, às gestantes, equipe multiprofissional composta pelo menos por Pediatra, Ginecologista, Obstetra, Enfermeiros e Psicólogo, para atenção integral durante o período do pré-natal, parto e o pós-parto”.

E, por último, o Projeto de Lei 7.633/2014, cujo artigo primeiro disponibiliza a “toda gestante tem direito à assistência humanizada durante a gestação, pré-parto, parto e puerpério, incluindo-se o abortamento, seja este espontâneo ou provocado, na rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e em estabelecimento privado de saúde suplementar”.

O evento também terá uma roda de conversa com Capulanas Cia de Arte Negra, um grupo de mulheres jovens, artistas e pretas “interessadas em dialogar com a sociedade sobre as descobertas, anseios e percepções das mulheres negras e periféricas”.

Acesse o evento no Facebook para maiores informações

Serviço

Horário: das 14h às 16h45

Local: Instituto Pólis

Endereço: Rua Araújo, 124 – Vila Buarque, São Paulo – SP

O evento é gratuito e aberto ao público

Anterior / Próximo

2 respostas em “EVENTO: Marcas (In)visíveis: Violência Obstétrica

  1. Olá, sou Psicóloga. Realizei uma pesquisa na Especialização sobre Violência Obstétrica e atualmente no Mestrado permanecerei pesquisando sobre Violência Obstétrica. Caso tenham materiais, vídeos relacionados a temática e for possível compartilhar, ficarei muito grata.

    Fico à disposição para compartilharmos saberes.

    Att,
    Aline.

    1. Olá, Aline,

      Você pode mandar um e-mail para o Centro de Documentação e Informação do Instituto Pólis, através do endereço de e-mail cdi@polis.org.br, para saber se há algum material sobre Violência Obstétrica.

      Atenciosamente,

      Caroline Oliveira
      Equipe de Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>