O Instituto Pólis é uma ONG (Organização Não Governamental) de atuação nacional e internacional. Fundado em 1987, o Pólis atua na construção de cidades justas, sustentáveis e democráticas, por meio de pesquisas, assessoria e formação que resultem em mais políticas públicas e no avanço do desenvolvimento local.

#VozesdoPolis por Míriam Selma

Direito à Cidade, Reforma Urbana
16 de Maio de 2018

Em nossa semana debatendo “o Direito à Cidade tem cor?” trazemos #VOZESdoPolis com Míriam Selma – Diretora Grupo Teatral Negro Sim e Coordenadora do Coletivo Levante Mulher

“Mulheres Guerreiras

É como um eco dos tambores. As vozes de nossas ancestrais estão em toda parte. Elas não param de nos ensinar o quanto nossas raízes são fortes!

Ser mulher negra em pleno ano de 2018, é sem dúvida uma grande vitória, pois se olharmos a história, veremos o quanto a “branquitude” tentou nos eliminar, neste 130 anos de uma abolição assinada por mãos brancas, que não deixa dúvida suas reais intenções.

Ainda hoje, nossas condições de vida são as mais precárias, as mais desumanas, somos nós, mulheres negras que ocupamos a maioria dos trabalhos informais e braçais. Enfrentamos a insalubridade, os baixos salários, a jornada estendida, a falta de direitos. Somos maioria no mercado doméstico e nas zonas de meretrício, ”heranças” essas de um período escravocrata em que nos colocam apenas como seres servis, sem valia.

O Relatório do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) afirma que os afrodescendentes “enfrentam uma dupla discriminação no mercado de trabalho, de raça e de gênero”. Eu por minha vez, diria tripla, pois somos operaria, proletária e a divisão de trabalho é opressora.

Nossas filhas continuam sozinhas, vulneráveis a todas as formas de violência, enquanto cuidamos das filhas das patroas.

Nosso cabelo ainda é motivo de não sermos contratadas em muitas empresas e quando os anúncios no jornal pedem boa aparência, é certo que não estão querendo negras.

As religiões de matrizes africanas são outro ponto crucial neste calabouço opressor que é o racismo estrutural. Aqui a palavra crucial, cai muito bem, pois em nome de um cristianismo que salva, os cultos e ritos de matrizes africanas são demonizados e os seus adeptos tidos como pecadores .

Isso porque os elementos culturais, religiosos ou mesmo estéticos que lembram a África ainda são colocados como feios, malignos, supervalorizando a cultura branca eurocêntrica.

Com todo massacre sobre a nossa imagem de mulher negra, é naturalizado o fato de que a solidão seja um dos maiores males que nos acompanham. Solidão no amor, solidão por sermos mães solteiras, solidão por vermos a vida de nossos filhos pretos cerceadas pelo Estado Burguês, solidão por sermos mulheres com desejo, sensuais e com sexualidade, porém sem ter com quem compartilhar nossos sonhos.

O fato é que a sociedade tem uma divida histórica conosco, mulheres negras. Medidas devem ser tomadas. Um caminho são as políticas públicas. As cotas, por exemplo, se fazem necessárias para reparar, mas ainda está longe de ser suficiente. Nós somos a base que sustenta todo o desenvolvimento econômico de nosso país e não gozamos de nenhum privilégio. É por isso que a sociedade tem uma grande dívida para conosco.

Mas tudo isso não nos faz mulheres fracas. Muito ao contrario. Se sobrevivemos aos porões dos navios negreiros, aos inúmeros estupros, às violações e violências em todos os aspectos, é porque somos verdadeiramente mulheres fortes!

Hoje ocupamos cadeiras nas academias, nas câmaras, nos congressos, somos doutoras, médicas, advogadas, deputadas, professoras, historiadoras, engenheiras. Estamos em vários postos de tomada de decisões.

Hoje nossos cabelos estão mais armados do que nunca e fortalecidos, para enfrentar o racismo. São como estandartes que estampam nossa luta!

Hoje criamos nossos próprios espaços, para enfrentar nossas demandas e para aumentar nosso empoderamento. São espaços privados, púbicos e virtuais. A exemplo disso, temos o Geledés Instituto da Mulher Negra, as Blogueiras Negras A Comuna Aurora Negra, a Coletiva Luana Barbosa, o Fala Preta, o Movidas pela Capoeira, Levante Mulher, Espaço ClariôSamba Negras em MarchaIlú Obá De Min e tantos outros .

Para compreender melhor a palavra empoderamento: para o feminismo negro ela não está ligada ao status de poder. Significa empoderar, emancipar a si e as outras, colocando as mulheres negras como atrizes, que assumem o protagonismo de suas histórias e atuam nas transformações sociais. Tornando-as donas de sua própria vida, de seu próprio corpo.

E por falar em marcha, em 2015 fizemos a maior Marcha de Mulheres Negras já vista em nosso país. No dia 18 de novembro, mulheres negras de todo o Brasil despidas de pré-conceitos e respeitando a subjetividade, a especificidade e a diversidade, se reuniram em torno de um objetivo comum: o bem viver – contra o racismo e contra a violência.

Fizemos a sociedade enxergar que somos 49 milhões de mulheres negras e o quanto nos flagelam o racismo, o patriarcado e o sexismo.

O manifesto criado na ocasião, vale ser lido por todos, pois aponta detalhes importantíssimos do nosso cotidiano, como a constante omissão do Estado e sua responsabilidade para com as nossas vidas negras.

Estão ali denunciadas questões como a saúde, o encarceramento, a drogadição, o feminicídio e a criminalização do nosso corpo, nosso território e do nosso povo .

Como bem nos fez refletir a nossa companheira Mahu, da Comuna Aurora Negra, nós somos a força e eles é que tem que usar o aparato policial e o poder do capital para resistirem a nossa força.
Para que os nossos direitos sejam assegurados, a nossa luta tem que ser diária. Sabemos que o plano traçado a mais de 130 anos de nos exterminar ainda está em vigor e contra ele lutamos a mais de 500 anos. Não aceitaremos que as reformas estabelecidas por esse atual governo golpista, venham dizimar nossas conquistas, muito menos dilacerar ainda mais nossas vidas.

As vidas pretas tem importância, nossas vozes se multiplicam e serão ouvidas! Não esqueceremos Dandara, Zacimba, Nzinga, Ariane, Luana Barbosa, Marielle Franco entre tantas.

Somos mulheres guerreiras, lutamos, sonhamos, sentimos e refletimos uma nas outras.

Findo essa reflexão saudando e agradecendo as minhas antepassadas, as mais velhas que vieram antes de mim e as mais novas, para as quais nós preparamos o caminho, com a certeza de que quando uma sobe, ela puxa a outra.”

Míriam Selma
Diretora Grupo Teatral Negro Sim
Coordenadora do Coletivo Levante Mulher

#marielle30dias
#mariellevive
#PeloFimdoGenocídio
#ContraIntervençãoMilitar
#SemJustiçaNãoHáPaz
#VidasNegrasImportam
#BlackLivesMatter
#RededeProteçãoeResistênciaContraoGenocídio

Anterior / Próximo