O Instituto Pólis é uma ONG (Organização Não Governamental) de atuação nacional e internacional. Fundado em 1987, o Pólis atua na construção de cidades justas, sustentáveis e democráticas, por meio de pesquisas, assessoria e formação que resultem em mais políticas públicas e no avanço do desenvolvimento local.

Poesia e performance marcaram o lançamento do livro do PJMC

Cidadania Cultural, Juventudes, Formação, Democracia e Participação, Convivência e Paz
24 de Fevereiro de 2017

Lançamento do livro do PJMC teve presença de Bel Santos Mayer e Maria do Rosário Ramalho

“Depois desse ano digo com certeza, não sou mais a mesma. Me tornei várias e vários. Descobrir o outro, a outra história, o outro lugar, a outra luta, me fez descobrir muito de mim”, conta Victória Mariana Toreti Vasconcelos, Jovem Monitora Cultural da turma de 2016/17.

4Permeado de músicas, danças, performances, poemas e outras expressões, o lançamento do livro “Juventudes e formação: Trajetórias, narrativas e poéticas” aconteceu nesta última terça-feira, dia 21 de fevereiro, na Red Bull Station. O evento celebrou o encerramento de um ciclo da parceria entre Instituto Pólis, Ação Educativa e Prefeitura Municipal de São Paulo para execução do Programa Jovem Monitor/a Cultural.

Na ocasião, o grupo de teatro Artemanha fez intervenções artísticas entre os blocos de fala, os quais foram mediados pela educadora social Bel Santos Mayer, escolhida como mestre de cerimônia. O evento contou com a presença também de educadores, gestores, integrantes do Instituto Pólis, os próprios jovens monitores e de Maria do Rosário, ex-secretária de Cultura de São Paulo.2

Depois de dois anos de intenso trabalho, como está colocado no livro, é possível afirmar que houve uma contribuição para a ampliação do repertório cultural de uma “geração pulsante, em sua maioria da periferia de São Paulo e em grande parte pertencente a coletivos  culturais, vivendo em cenários de exclusão”. Dayane Rodrigues, agente de formação do PJMC, afirma que com o programa acabou retomando os sentidos de ser educadora.

O livro traz diversas cartas de formadores e jovens que passaram pelo programa. Para Altair Moreira, assessor de formação do Instituto Pólis, a juventude negra e pobre, sempre desassistida pelo Estado, criou sua própria visão de mundo. “Isso de certa forma as empoderou em suas existências”, pontua no livro. Já para Raquel Luanda, assessora da área de juventude da Ação Educativa, é importante pensar em juventude não como uma geração detentora de um futuro, “mas como presente e detentora de direitos”.1

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, Hamilton Faria, coordenador da área de Cultura do Instituto Pólis, afirmou que a formação é uma palavra complicada ao se referir à formação cultural dos jovens. “Eles têm uma contribuição cultural significativa, não é como moldar uma argila”, destacou. Para ele, o programa foi uma troca de saberes, algo que seguiu na mão dupla, recíproco.

A publicação traz os desafios da formação de jovens, a metodologia e as poéticas do aprendizado, entrevistas, diálogos, cartas e indicadores, tais como perfis, impactos e resultados do PJMC.

Escute a entrevista na íntegra:

Imagens: Beatriz Andrade

Clique aqui para fazer o donwload gratuito do livro

Confira também:

Escritos e Imaginários

Escritos e Imaginários II

 

Anterior / Próximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =